Back to all Post

Mênfis

Thais Chaiane Costa de Faria – Monitora do Museu Egípcio e Rosacruz Tutankhamon

Segundo a crença egípcia, Mênfis teria sido fundada pelo primeiro rei do Egito, em cerca de 3100 a.C, e foi a primeira capital no Reino Antigo. As primeiras fontes conhecidas que relatam a importância da cidade, estão descritas nos trabalhos de autores como, Heródoto que a visitou ainda na Antiguidade, Estrabão e Diodoro de Sicília. A metrópole, ficava localizada entre o Baixo e o Alto Egito, próxima ao delta do Nilo e para os egípcios antigos, era conhecida como Muro Branco (Ineb hedj). A denominação utilizada hoje decorre do período helenístico, Mênfis é uma palavra grega derivada da construção hieroglífica Mn-Nfr, que significa “Duradoura e Bela”, designação atribuída à pirâmide do rei Pepi I, da VI dinastia (2287 a.C. – 2187 a.C).

No Reino Antigo, a cidade era uma das mais populosas de todo o Egito e onde ficava a residência real dos faraós. A localização estratégica da capital entre os dois reinos, possibilitou que a cidade se tornasse um grande centro cultural, religioso e populacional. Nas suas bibliotecas e ateliês, conservaram-se ou transmitiram-se os manuais, os tratados, os cânones e o saber relativos aos monumentos sacralizados. Apesar das transferências da capital para outras regiões ao longo dos anos, para Tebas e Amarna, por exemplo, Mênfis não perdeu sua importância, sempre ocupando uma posição de destaque. No Reino Novo, tornou-se uma metrópole cosmopolita, um grande centro do comércio internacional e uma base militar fundamental para o Império com o seu porto de Peru-Nefer. Entretanto, apesar da sua importância econômica, sua decadência começou a partir do crescimento de Alexandria, no período ptolomaico, que se transformou na grande metrópole e no mais importante porto comercial do Egito.

Um dos grandes eventos realizados em Mênfis, na Antiguidade, era marcado pela legitimação do poder faraônico: a cerimônia de coroação do rei e o festival Heb-Sed, também conhecido como jubileu. A cerimônia de coroação era realizada no templo de Ptah e cada detalhe do ritual simbolizava o renascimento do faraó, que ao ser coroado transformava-se em um ser divino. O festival Heb-Sed acontecia a cada trinta anos com o intuito de reafirmar e revitalizar o poder faraônico, no evento uma série de ritos eram realizados, dentre eles, com a típica cauda postiça envergando o saiote real, o faraó corria em volta dos muros da cidade, simbolizando a afirmação e legitimação do seu poder sobre todo território egípcio.

Enquanto centro religioso, Mênfis tinha como deus principal, Ptah um deus muito antigo, mencionado nos textos das pirâmides desde o Reino Antigo, e considerado pelo clero da cidade o deus demiurgo, responsável pela criação do mundo. Segundo a mitologia, Ptah manifestou o desejo em seu coração (sua consciência) e através da fala tudo criou. O seu local de culto mais importante era o templo Hut-ka-Ptah, localizado em Mênfis, onde seria a morada do ka do deus.

Enquanto criador, o deus era chamado Ptah Tatenen relacionado a terra e posteriormente tornou-se patrono dos artesãos, sendo considerado o inventor dos trabalhos manuais. O deus também foi associado a outras divindades, como Sokar e Osíris, então denominado Ptah-Sokar-Osíris, que estava relacionado ao culto funerário. No Reino Novo, Ptah ganhou uma nova família, ao lado da deusa Sekhmet e seu filho Nefertum, formando a tríade menfita. Já no período ptolomaico ele foi associado ao deus grego Hefesto, ferreiro e mestre no trabalho com metais, pois Mênfis era o centro metalúrgico mais famoso do país. No entanto, a cidade perdeu sua importância religiosa quando Teodósio I (379-395 d.c) decretou que o cristianismo passaria a ser a religião de todo o Império Romano.

Diversos estudos foram realizados em busca de entender a extensão de Mênfis e os trabalhos mais recentes demonstram que a cidade se estendia por, pelo menos, 10 Km de Norte para Sul. Contudo, o local “desapareceu” restando apenas as ruínas, pois estaria soterrada devido a acumulação de sedimentos no decorrer dos milênios, além da própria influência do curso do rio Nilo, que provocou uma erosão nos vestígios históricos. É importante lembrar que Mênfis não se resumiu à região de Mit-Rahina, mas estendeu-se de Abu Rawash a Gizé, Abusir, Saqqara e Dahshur.

Quem visita Mit-Rahina, pode contemplar as ruínas do recinto do templo de Ptah, com estátuas colossais de Ramsés II e uma grande esfinge de alabastro encontrada por Flinders Petrie, em 1912, que acredita-se que ela estava dentro do templo de Ptah e representaria a rainha Hatshepsut, da XVIII dinastia, entre outros templos menores de distintos períodos.

Referências: Lopes, Maria Helena Trindade . Mênfis, a cidade “que desapareceu”. In: Vargas , A.Z, Pozzer, K, Martins, L.C.P (Orgs.) Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2018 ( p.4-55). BAINES, John; MÁLEK, Jaromír. O mundo egípcio: deuses, templos e faraós. Rio de Janeiro: Del Prado, 1996.v.2. Cardoso, Ciro Flamarion. Deslocamento e alteridade : A associação da distância e da viagem com o estranho e o maravilhoso entre os antigos egípcios. Phoînix, Rio de Janeiro,v.16, n.1, p.11-31. Disponível em : <https://revistas.ufrj.br/index.php/phoinix/article/view/36569/20138> Acesso em abril de 2021 Ptah <https://br.pinterest.com/pin/111604896990942897/> Ruínas templo de Ptah. < https://learninglab.si.edu/resources/view/378415> Esfinge de Hatshepsut < https://historia.nationalgeographic.com.es/a/menfis-primera-capital-egipto_7278/4>

Museu Egípcio e Rosacruz & Museu Tutankhamon © 2021. All Rights Reserved