Back to all Post

A Grande esposa real e Rainha-mãe: Tiye

Cartas de Amarna

 

Rainha Tiye

 

Rainha Tiye

 

Thais Chaiane Costa de Faria

Monitora do Museu Egípcio e Rosacruz Tutankhamon

O papel desempenhado pelas mulheres na história, nas mais diversas sociedades, em tempos remotos ou pouco distantes de nós, principalmente no âmbito político-social, é abordado em diversos estudos recentes que visam desmistificar a ideia de uma atitude passiva, muitas vezes atribuída ao feminino em detrimento do poder associado ao masculino. Na antiguidade egípcia, a Rainha Tiye, esposa do faraó Amenhotep III, viveu durante o Reino Novo, especificamente, no período de transição entre o reinado de seu marido e o período amarniano, governado por seu filho Akhenaton, e teve um papel importante em ambos os períodos, influenciando a política e a religião do Egito. /

Tiye não fazia parte da família real antes de se casar com Amenhotep III, fator excepcional na sociedade egípcia pois, normalmente, as esposas principais deveriam ter um grau de parentesco com o faraó vigente. A rainha nascida em Akhmin, era filha de Yuya, sumo sacerdote de Min e, mais tarde, chefe da cavalaria, e da dama Tuya, superintendente do harém de Akhmin e Amon. Apesar de sua família não possuir posição elevada, como a realeza, seus familiares exerciam influência nos cultos locais de Tebas. Tiye ocupou uma posição de destaque ainda no reinado de Amenhotep III, ao lado do marido, esteve associada aos grandes acontecimentos marcantes do reino.

No final do mês de setembro, no ano 11 de reinado de Amenhotep III, o faraó ordenou a escavação de um lago em Djarukha, ao norte de Akhmin. As dimensões do lago, equivaliam a dois quilômetros por 365 metros, e quinze dias após o começo da obra, já estava pronto. A construção do lago foi feita a fim de melhorar a irrigação do solo nas culturas locais e facilitar a fertilização. A inauguração do projeto, foi marcada pelo ritual de navegação da barca real, “Aton irradia”, sacralizando o lago e tornando a terra fecunda. Nessa ocasião a rainha Tiye, exercia sua função divina. O casal régio também ordenou a edificação de dois templos no Sudão, um em Soleb e o outro em Sedeinga, na Núbia. Retratada ao lado do marido em estátuas colossais, a rainha foi venerada como deusa, também deificada e incluída no programa solar, foi considerada como o olho de Rá no Sudão, que se uniu a divindade Nebmaatra (faraó divinizado), para retornar ao Egito e restaurar a Maat do mundo. Na tumba de Kheruef, em Tebas, a monarca, em forma de esfinge, aparece massacrando os inimigos e reestabelece Maat, promovendo assim a justiça e ordem no universo.

A rainha passava a maior parte do tempo em Tebas, administrando a Casa da Rainha, parte integrante do palácio, onde havia oficinas de artesãos, padeiros, cervejeiros, ourives, armazéns, marceneiros, um tesouro, serviços médicos e laboratórios, garantindo uma boa gestão dos bens. No entanto, com o falecimento de Amenhotep III, Tiye passou a governar o Egito, até um dos filhos, a jovem Satamon ou Amenhotep IV, ter experiência e maturidade para reinar, pois na época da perda do pai, os irmãos eram muito jovens e inexperientes para ocupar o trono. Satamon, a filha da rainha desapareceu dos registros oficiais, e Amenhotep IV, que logo se tornaria Akhenaton, ao lado de sua esposa Nefertiti, ocupou o trono em 1353 a.c. A partir do segundo ano de seu reinado, Amenhotep IV reformulou conceitos religiosos, políticos e artísticos, no período conhecido como a Reforma de Amarna, onde a capital do reino foi transferida para outro local, cidade conhecida como Akhetaton (hoje Tell el-Amarna) e o culto solar a Aton e a família real, passou a ser prioridade.

Nesse período o Egito possuía acordos com a região de Mitani, estabelecidos desde o reinado de Amenhotep III, e Tiye era a única que sabia das negociações e os segredos do Estado. Quando Amenhotep IV assume o poder, fica claro a influência política que sua rainha-mãe teve sob seu governo, pois ela estava ciente das relações do reino com o exterior e mantinha contato com os governantes estrangeiros. Através de uma das cartas trocadas entre Tushratta, governante de Mitani e a própria rainha, observa-se a cobrança de Tushratta em relação à política guiada por Amenhotep IV, que estaria descumprindo os acordos, e pede a Tiye uma intervenção na política de seu filho, por ser conhecedora do modo como ocorria a negociação. Na carta enviada por Tushratta, ele comenta o pedido da rainha em manter com o filho Akhenaton, as mesmas relações que havia tido com seu falecido marido, mas relata o problema no acordo. O reino deveria encaminhar a Mitani, estátuas em ouro maciço, mas o que lhe foi enviado foram estátuas em madeira. Tushratta, apela a rainha para conversar com o faraó e resolver o impasse, para que assim possa continuar o relacionamento entre os reinos. O governante termina a carta saudando a rainha, enviando presentes, recipientes para perfumes cheios de “óleo doce” e um conjunto de pedras incrustadas em ouro. Outras duas cartas, enviadas de Mitani, dessa vez, destinadas ao faraó, o aconselham a ouvir sua mãe, pois ela, melhor do que ninguém, sabe quais são os tratados determinados entre estes dois reinos.

Akhenaton mandou construir um palácio para Tiye em Akhetaton, para permanecer quando estava na cidade. Tiye era um elo entre Tebas e a nova capital, por isso viajava frequentemente a cidade do deus Amon, para manter relações entre as duas cidades. Tiye também aparece na arte amarniana, retratada nos banquetes da família real junto com sua filha Beketaten. A rainha-mãe faleceu no oitavo ano de reinado de Akhenaton e as fontes apontam para o túmulo número 55, no Vale dos Reis, o local onde ela teria sido inumada. Sem decorações esculpidas nas paredes, a tumba tinha como parte do seu enxoval funerário, um trenó para a múmia, um ataúde, amuletos, frascos de perfume e várias peças raras que acabaram sendo destruídas ao serem retiradas do local.

Fundações funerárias em Tebas e no Médio Egito celebraram sua memória e foi-lhe prestado culto. Sem dúvidas, Tiye desempenhou um papel além do título de Rainha-mãe e Grande Esposa Real, colaborando para a manutenção de Maat, ao atuar em função da ordem no reino.

 

Referências:

JACQ, Christian. As egípcias: Retratos de mulheres no Egito Faraônico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

SCOVILLE, Priscila. As mulheres do faraó: Análise da influência das rainhas Tiye e Nefertiti durante o regime Amenhotep IV/Akhenaton (c.1352 – 1336 AEC). Trabalho de conclusão de curso (graduação em História Memória e Imagem)-UFPR, Curitiba, 2014. Disponível em https://historiapt.info/pars_docs/refs/7/6504/6504.pdf Acesso em março de 2021

Amarna Period: (Society for the Promotion of the Egyptian Museum Berlin) (egyptian-museum-berlin.com)

https://www.britishmuseum.org/collection/object/W_1888-1013-39 Acesso em março de 2021