A Tumba de Khnumhotep II

A tumba de Khnumhotep II se situa no sítio arqueológico de Beni Hassan, localizado próximo a cidade de El Minya. A necrópole é composta por 39 tumbas de sacerdotes, nobres e oficiais que viveram durante o Reino Médio (2040-1640 a.C).

Khnumhotep II governou um pequeno território, chamado de nomo, especificamente o de El Oryx – 16° nomo no Alto Egito. Ele viveu entre os reinados de Amenemhat II (1929 – 1892 a.C) e seu filho, sucessor, Senusret II (1897 – 1878 a.C), da XII dinastia, ambos tiveram um reinado de intensa relação diplomática e comercial com os povos vizinhos. A tumba de Khnumhotep II contém inscrições e pinturas de cores vibrantes e originais do período, e em algumas há menção aos faraós e relações exteriores.

 Este nomarca possuía diversos títulos, entre eles estão ‘Supervisor dos sacerdotes’, ‘supervisor do deserto oriental’, ‘conde da cidade de Menat-khufu’ e ‘príncipe hereditário’. Além de governante de nomo, ele também foi sacerdote do deus Hórus e da deusa Pakhet; estes eram representados respectivamente como um falcão, deus sucessor do trono egípcio, e uma leoa, deusa da guerra.

 Em sua tumba há 222 colunas de inscrições hieroglíficas que descrevem sua vida. Ele era filho de Nekhry, governador da residência real, sua mãe, Beket, era filha do nomarca Khnumhotep I, também do 16° nomo, assim como seu neto veio a ser futuramente. Khnumhotep II se casou com Khety, filha mais velha do nomarca de Chacal. Ele e sua esposa tiveram dois filhos, Nakht, que se tornou governante do distrito de Chacal, e Khnumhotep III que recebeu altos cargos em Menet-Khufu.

A tumba de Khnumhotep II ficou conhecida como a tumba 3 do complexo de Beni Hassan (BH3). Construída em pedra, há em sua fachada duas colunas em estilo protodorico, possui uma antecâmara e um santuário interno, onde se localiza a câmara funerária que contém dois poços para enterramento. Na entrada do santuário, os batentes das portas possuem textos que trazem a fórmula de oferendas para o proprietário e, na parte superior, há a representação de Khnumhotep II caçando aves com redes de pesca, com diversos pássaros presos. De cada lado da porta há representações do falecido sentado em uma cadeira de ébano.

Na entrada do santuário, existem dois painéis localizados de lados opostos que mostram Khnumhotep II praticando atividades na área pantanosa. No painel esquerdo, o falecido encontra-se em cima de um barco de papiro caçando aves com um bumerangue. Abaixo desta cena, há outra com egípcios pescando com uma rede de pesca. No painel direito, na cena principal, tem-se Khnumhotep II caçando aves com rede e, abaixo, em um painel estreito, há cenas de guerras, onde é possível observar um homem sendo jogado ao rio.

A tumba ficou bastante conhecida por possuir a pintura da migração de povos Amu: povos que viviam a leste e a nordeste do Egito, chamados de beduínos semíticos. Esta representação remete aproximadamente ao ano 6 do reinado de Senusret II, sendo composta por uma caravana de trinta e sete asiáticos que chegaram ao Egito para comercializar maquiagens e outros produtos. Na cena, há representações de homens, mulheres e crianças vestidas com roupas coloridas, carregando lanças e acompanhadas de animais que carregavam bagagens ou que seriam comercializados.

Acima das representações dos beduínos semitas, há imagens de caça à animais, como a gazela, o antílope, o íbex, o chacal, o leão e outros que eram comuns no território. Abaixo dos beduínos, há cenas de animais que foram domesticados pelos egípcios, como o gato, o gado e as aves.  A relação entre os egípcios e a fauna e flora são frutos da religião egípcia, uma vez que, a partir da observação da natureza os egípcios relacionariam estes com suas divindades. 

Referencias:

PEINADO, Federico Lara. Khnumhotep II (ca. 1890 a.C.). La Web das biografias. Disponível em: https://www.mcnbiografias.com/appbio/do/show?key=khnumhotep-ii . Acesso em: 05 maio 2023.

A TUMBA de Khnumhotep II. Ministério do Turismo e Antiguidades, 2019. Disponível em: https://egymonuments.gov.eg/monuments/the-tomb-of-khnumhotep-ii/ . Acesso em: 5 maio 2023.

O TÚMULO de Khnum-hotep II. Cairo Top Tours, 2014. Disponível em: https://www.cairotoptours.com/pr/Egipto—Viagens—Guia/bani-hassan-tumulos-/a-tomba-de-Khnum-hotep-II . Acesso em: 5 maio 2023.

COELHO, Liliane Cristina. Vida pública e vida privada no Egito do Reino Médio (c. 2040- 1640 a.C). 2009. Dissertação pós-graduação (História) – Universidade federal de fluminense, Niterói, 2009. Disponível em: https://www.historia.uff.br/stricto/td/1313.pdf . Acesso em: 5 maio 2023.

Animais egípcios e onde habitam. Gravação de Ewerson Dubiela e Vivian Noitel. Facebook Museu Egípcio e Rosacruz: Amorc, 2020. Disponível em: https://fb.watch/kkVOVGBikQ/. Acesso em: 5 maio 2023.

Texto por: Camila Czelusniaki – Monitora do Museu Egípcio e Rosacruz Tutankhamon

 

Imagens retiradas do site: A TUMBA de Khnumhotep II. Ministério do Turismo e Antiguidades, 2019. Disponível em: https://egymonuments.gov.eg/monuments/the-tomb-of-khnumhotep-ii/ . Acesso em: 5 maio 2023.

 

 

Alimentação e culinária no tempo dos faraós

Thais Chaiane Costa de Faria – Monitora do Museu Egípcio e Rosacruz Tutankhamon

A decifração dos hieróglifos, por Jean-François Champollion em 1822, permitiu estudos de vários aspectos da cultura do Egito Antigo, principalmente a partir das inscrições encontradas nas tumbas, nos templos e nos papiros egípcios. Hoje, sabemos que a alimentação e o preparo dos alimentos, tanto no cotidiano como no contexto fúnebre, tinham uma grande importância para a sociedade egípcia, pois eram a fonte de energia durante a vida terrena e na vida após-morte. Os egípcios antigos possuíam uma dieta bastante diversificada, desde o consumo de frutas e leguminosas, a uma gama de pães, bolos, carnes e bebidas. Cenas de banquetes feitos em comemorações e festividades demonstram essa variedade de alimentos.

O Papiro Anastasi IV possui uma lista de produtos a serem reunidos por um funcionário do palácio de Ramsés III para um banquete de recepção da chegada do faraó a capital. A partir das inscrições, podemos listar, pelo menos, nove tipos de pães disponíveis para consumo, identificar as carnes consumidas no palácio, principalmente de aves como o ganso, codornas e pombos, além de carneiros e peixes, diferentes tipos de bolos e frutas. No entanto, nem todas as camadas da sociedade gozavam da mesma dieta. A cozinha do palácio do faraó, sem dúvidas, dispunha dos mais diversos cardápios alimentares. Já a população, tinha como base da alimentação diferentes tipos de pães e a cerveja, complementados por vegetais e frutas, e em períodos de festividade, por carnes e outros alimentos distribuídos pelo palácio e pelos templos.

Os vegetais eram complementos da dieta da maioria da população, a cebola e alho, por exemplo, poderiam ser consumidos crus com pão. A alface era consumida como salada, assim como o Corchoruso litorius, planta conhecida no Egito por melukhia, e no ocidente por malva, além de diversos tipos de grãos, como feijões, grão de bico, ervilhas e lentilhas. Os figos e as tâmaras estavam frequentemente presentes na culinária egípcia, podendo ser consumidos individualmente ou adicionados as mais variadas receitas, como ingredientes para bolos os tornando adocicados, e na produção de cervejas.

Para preparar os mais variados tipos de pães, os egípcios primeiramente produziam a farinha: os grãos de trigo eram moídos e transformados em farinha com o uso de pilões e almofarizes, nas casas particulares, ou com a roda de moer grãos nas padarias, em seguida peneiravam-na para eliminar os grãos mais resistentes. Na farinha acrescentava-se água e sal, a massa então era sovada em recipientes específicos, parecidos com uma gamela, e depois reservada para fermentação, levando aproximadamente oito horas para crescer. Após esse tempo, o pão era colocado em moldes e formas previamente aquecidos, sendo o molde bedja (em formato cônico) o mais usado, e a massa era assada sobre brasas por cerca de quarenta minutos. O pão poderia ser consumido com cebolas e acompanhado da cerveja.

A cerveja é umas das criações dos egípcios antigos, sendo produzida a partir da fermentação de pães de cevada em água que em seguida eram diluídos e peneirados. Seu líquido era bastante encorpado e espesso, muito energético. Assim como o pão, havia uma variedade de cervejas no Egito Antigo. A henket, era muito popular entre os egípcios, usada também como pagamento dos salários. A cerveja seremet obtida através da adição de tâmaras esmagadas no seu processo de fermentação, que além de adocicar mais a cerveja, aumentava o seu índice alcoólico e a tornava mais estável, sendo assim superior às demais. Outros exemplos são: a cerveja henemes, hamat, tenemu e decheret. A diferença entre elas consiste basicamente no tipo de grão utilizado como matéria prima. Além das tâmaras, outros condimentos poderiam ser adicionados no processo de fermentação, como figos, frutos de persea, sementes de tremoço, coentro e mel.

Outra bebida fermentada, que acompanha o pioneirismo egípcio, é o vinho, ierp. A vinha não é nativa do Egito, muito provavelmente, foi importada da Síria-Palestina por volta de 3100 a.c. e passou a ser cultivada próxima as margens do Nilo, em áreas onde a enchente não alcançava, desde as primeiras dinastias. Nas tumbas reais e nobres do Reino Antigo, já havia representações de cenas da produção de vinho, mas apesar de muitas tumbas retratarem esse processo, o consumo da bebida estava restrito a determinados grupos sociais. O vinho estava presente nos banquetes e nas festividades, além de possuir caráter religioso, usado como oferenda aos deuses pelo faraó nos templos.

De modo geral, a produção do vinho consistia nos seguintes processos: após a colheita, os trabalhadores transportavam as uvas em cestos e as despejavam em tanques onde eram pisadas a fim de extrair o líquido da fruta. A sobra das cascas, caules e grainhas era colocada em sacos compridos de linho que funcionavam como uma prensa e quatro homens, dois a dois, exerciam força oposta nas duas extremidades efetuando um efeito de torção, fazendo cair do pano para um recipiente, o sumo espremido. O vinho era armazenado em ânforas, onde ocorria o processo de fermentação, após essa etapa, as ânforas eram lacradas e “etiquetadas” com os dados do tipo de vinho, o ano de fabricação, a origem, o destino, e por vezes, o nome do vitinicultor. A diferença do tipo de vinho, geralmente está relacionada a técnica da produção. No Reino Novo (1550-1070 a.c) eram produzidos três tipos de vinhos: o vinho branco, o tinto e o shedeh. O vinho shedeh tinha uma preparação distinta dos demais, pois após seu processo de fermentação era filtrado e aquecido. Na tumba do Faraó Tutankhamon, juntamente a outros artefatos, foram encontradas trinta ânforas de vinho, uma delas de shedeh, com a seguinte inscrição: “Ano 5, Shedeh de muito boa qualidade da propriedade de Aton do Rio Ocidental, chefe vinhateiro Rer”. Em contrapartida, na produção do vinho nedjem poderia ser adicionado mel e figos, que o tornava mais doce e consequentemente aumentava seu teor alcoólico. O vinho paur, de menor qualidade, era obtido pela reumidificação do mosto depois de uma primeira prensagem.

A representação de banquetes nas pinturas das tumbas está relacionada ao Ka, o princípio de energia, uma das partes integrantes do ser, segundo os egípcios. A representação destes garantiriam a manutenção do Ka. Além do conteúdo das pinturas, em algumas tumbas foram encontradas refeições completas, depositadas como oferendas ao falecido. É o caso de uma mesa de oferendas com alimentos contendo patos, pães, figos e peixes secos, encontrada em uma tumba em Tebas, datada do Reino Novo (1.550-1.070 a.C.), o clima árido e o local fechado, contribuíram para sua conservação. O preparo dos alimentos, também é representado como forma de garantir a existência dos produtos no outro mundo.

Referências
Telo Canhão, A alimentação no antigo Egipto. Revista Hapi, Lisboa, n.3, p.33-89,Novembro,2015. Disponível em < https://www.academia.edu/35273753/_A_alimenta%C3%A7%C3%A3o_no_antigo_Egipto_in_Hapi_Revista_da_Associa%C3%A7%C3%A3o_Cultural_de_Amizade_Portugal_Egipto_no_3_Lisboa_Novembro_de_2015_pp_33_89_ISSN_2183_0991?email_work_card=view-paper>
Acesso em março de 2021

Fonseca, Sofia. Guasch Jané, Maria Rosa. Ibrahim, Mahmoud. O vinho no Antigo Egito: uma história mediterrânea. Revista Mundo Antigo, (NEHMAAT-UFF/PUCG), Campos dos Goytacazes (RJ), ano 1, v.1, nº1, p.131-146, Junho, 2012. Disponível em <http://www.nehmaat.uff.br/revistasAnteriores2012-1PORT.html> Acesso em março de 2021.