+55 41 3351.3024 museu@amorc.org.br

TUTMÉS III: “O Napoleão do Egito Antigo”

 

O faraó era o símbolo máximo de poder na sociedade egípcia. Era revestido com suas insígnias de poder, como as coroas e os cetros. Além disso, o faraó era encarregado de fazer reinar Maat na terra. Mas, o que isso significa?

Filha do deus Ra, Maat era a deusa que representava um conceito divinizado na sua figura, a Ordem, que devia ser garantida pelo faraó, para que o mundo funcionasse de maneira harmoniosa. Portanto, o dever principal do faraó enquanto governante era manter Maat. Sendo esse o papel fundamental dos faraós, Tutmés III, assim como seus antecessores, também tinha seu poder legitimado pela mitologia egípcia.

Tutmés III “Menkheperre[1] foi o quinto faraó da XVIII Dinastia, durante o período chamado Reino Novo, governando de 1479 até a sua morte, aproximadamente em 1425 a. C.. Esse faraó em questão é relativamente conhecido por dois fatores que marcaram sua trajetória. O primeiro fator é a chamada corregência, que acabou acontecendo por conta da ascensão muito prematura de Tutmés III ao trono, seguida de uma mudança política gradual promovida por sua tia, a rainha Hatshepsut. E, o segundo fator é o que lhe concede o título de “Napoleão do Egito Antigo”, título a ele conferido na contemporaneidade graças às numerosas campanhas militares e conquistas territoriais que fez durante seu reinado, sendo, portanto, uma associação direta ao conquistador francês do início do séc. XIX, Napoleão Bonaparte. Sabendo dessas primeiras informações, podemos concordar que Tutmés III e seu período de reinado se torna, no mínimo, curioso, não é mesmo?

Tutmés III reinou por mais de 50 anos, era filho de Tutmés II e foi nomeado faraó pelo oráculo na regência de sua tia. Conta-se que em uma certa ocasião, “o deus Amon havia forçado os portadores da arca sagrada a ajoelhar-se durante o festival de celebração. A arca então saudou dentro do templo, o infante príncipe Tutmés, que servia a um tipo de culto separado e reservado aos príncipes do Egito. Amon e os portadores da arca sagrada se prostraram em frente ao príncipe e então, Tutmés III levantou-se para tomar seu trono”.

Sendo ainda criança, Tutmés III, apesar de ser o escolhido, não era capaz de dar conta às tarefas de um faraó, de maneira que a rainha Hatshepsut, assumiu o poder em uma regência institucionalizada a partir da coroação do jovem rei. Além disso, Tutmés III casou-se com Neferura, filha da rainha Hatshepsut, porém, a princesa morreu prematuramente. Apesar da pouca idade, Tutmés III é representado utilizando as roupas e coroas de um rei e continuou contando seus anos de reinado sem exercer o poder efetivamente. Essa situação perdurou do sétimo ao vigésimo-segundo ano de reinado de Tutmés III, quando Hatshepsut desaparece dos registros.

Em seu governo, Tutmés III regulou as relações internas no Egito, configurou os padrões para os vizirs, que eram governantes locais, e para as cortes oficiais, reforçando sua imagem enquanto soberano legítimo, acabou decidindo pela destruição dos monumentos à Hatshepsut após 15 anos do desaparecimento da rainha. Talvez essa ação de Tutmés III tenha sido uma tentativa de legitimar o futuro governo de seu filho Amenhotep II, e não permitir que outros descendentes reclamassem o trono. Já nas relações externas, a mudança foi ainda mais expressiva.

Pesquisadores alegam que o faraó Tutmés III conduziu algumas campanhas militares ainda durante o reinado de Hatshepsut, e gastou um bom tempo no preparo das forças terrestres e navais do Egito para suas próprias expedições. Ele iniciou de fato o seu reinado atacando o rei de Kadesh e seus aliados numa região do norte mediterrânico. Conquistou e batalhou em territórios estrangeiros com o objetivo de reestabelecer o domínio egípcio. Ele conduzia seus próprios regimentos, enviando barcos para a costa palestina para explorá-la e encarando exércitos como na batalha de Megido, na Ásia Menor.

Tutmés III foi um dos maiores generais egípcios da história, o que leva algumas pessoas a compararem-no com Napoleão Bonaparte, que conduziu exércitos e levou a França a conquistar outros territórios, consolidando um Império na primeira metade do século XIX. Tutmés III conquistou terras do rio Nilo ao rio Eufrates e carregava em sua sombra o imperialismo egípcio. A hegemonia egípcia que tinha se consolidado com suas bem-sucedidas campanhas militares, foi concretizada em outros territórios pelo estabelecimento de um sistema de controle: as cidades da Sírio-Palestina, embora preservando certa autonomia, foram sujeitadas a pagar impostos às tropas egípcias colocadas em locais estratégicos. Além do pagamento de impostos, alguns príncipes estrangeiros eram levados ao palácio para serem educados à maneira egípcia e algumas princesas se casavam com o faraó para reforçar essas relações com os povos conquistados.

Ele morreu ao 55º ano de reinado e foi enterrado em sua tumba no Vale dos Reis, descoberta em 1898, pelo egiptólogo francês Victor Loret. A tumba do faraó foi decorada com registros do Amduat que são uma versão do Livro dos Mortos utilizada principalmente em tumbas de faraós durante o Reino Novo. No entanto, apesar da tumba pertencer a Tutmés III, sua múmia foi encontrada entre outras múmias de faraós num esconderijo em Deir el-Bahari, em 1881. Atualmente, a múmia de Tutmés III encontra-se exposta no Museu do Cairo, no Egito.

[1] Também chamado como Tuthmés ou Thoutmosis: formas gregas do nome egípcio [Djehoutymosé], que significa algo como “o deus Toth fez nascer o mundo”.

Por Jessica Cabral – Estagiária do Museu Egípcio e Rosacruz

 

Acesso à tumba de Tutmes III no Vale dos Reis

 

REFERÊNCIAS:

BUNSON, Margaret R. Encyclopedia of Ancient Egypt. FactsOnFile. New York. 2002.

BAINES, J.; MALEK, J. Atlas of Ancient Egypt. AUC Press: Cairo. 2002.

CERNIVAL, Jean-Louis de. Les Annales de Thoutmosis III. Département des Antiquités égyptiennes – Museé du Louvre: Croyances religieuses et funéraires. Disponível em: <http://www.louvre.fr/oeuvre-notices/les-annales-de-thoutmosis-iii>.

DESPLANCQUES, Sophie. Egito Antigo. Porto Alegre: L&PM, 2009.

DUBIELA, Ewerson Thiago silva. A análise do “homem de Estado” na Figura de Hatshepsut, rainha e faraó durante a XVIII dinastia (1550-1307) do Egito Antigo. ITECNE. 2015.

DUBIELA, Ewerson Thiago Silva. Divindades Egípcias – O deus Amon. Museu Egípcio e Rosacruz. Disponível em: <http://urci.org.br/museu-divindades-egipcias-o-deus-amon/>.

TRAUNECKER, Claude. Os Deuses do Egito. Tradução de Emanuel Araújo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995.

VALLEY OF THE KINGS – KV34. Tomb of  Tuthmosis III – XVIIIth Dynasty. Disponível em: < http://narmer.pl/kv/kv34en.htm>.

VALLEY OF THE KINGS – KV34. Cache DB320 at Deir el-Bahari (Western Thebes). Disponível em: < http://narmer.pl/groby/db320_en.htm>.

VERNUS, Pascal; YOYOTTE, Jean. Dictionnaire des Pharaons. Perrin. 2004.