Destaque Cultural

O Festival de Opet

Vivian Tedardi – Historiadora

O Reino Novo (1550-1070 a.C.) é o período de grande prosperidade no Egito Antigo. A capital era Tebas e Amon o deus padroeiro da cidade. A ele foi dedicado uma das principais celebrações egípcias: a festa de Opet.

Os dois principais templos de Tebas eram Karnak e Luxor. Estes estavam interligados por uma avenida que, aos poucos, foi sendo decorada com esfinges, um percurso com cerca de 3 km de comprimento.

A festa de Opet compreendia uma grande procissão ao longo da avenida de esfinges onde o deus Amon, sua consorte Mut e filho Khonsu, cada um em sua barca sagrada, eram levados do templo de Karnak até Luxor. Momento que a população poderia estar próxima da imagem do deus, já que no culto egípcio apenas as altas hierarquias sacerdotais e o rei tinham acesso à imagem divina.

O festival ocorria no segundo mês de Akhet, a estação de inundação do rio Nilo. Em egípcio chamava-se “heb nefer en Ipet”, que corresponde à “Bela Festa de Opet”. A palavra opet ou ipet seria uma referência ao santuário onde as estátuas dos deuses seriam levadas quando no templo de Luxor.

A fonte mais antiga que temos sobre esta festa foi registrada na Capela Vermelha da rainha-faraó Hatshepsut, que foi construída em seu governo para abrigar a barca cerimonial quando não estivesse em uso. Além deste registro, encontramos representações do festival no templo de Amon-Rá, em Karnak, e nos templos de Luxor e Medinet Habu. Os relevos mostram que a festa nem sempre ocorreu da mesma maneira. Nos governos de Hatshepsut e Tothmés III ocorriam pela avenida de esfinges, tanto que a rainha-faraó mandou construir seis santuários ao longo da avenida para o descanso das barcas sagradas. No período de Tutankhamon a procissão ocorria pelo Nilo, como é possível observar pelos relevos no templo de Luxor. Mesmo que o percurso tenha mudado ao longo do tempo, sabe-se que a população participava ativamente, as barcas eram escoltadas por soldados e carregadas pelos sacerdotes, membros da elite e o faraó estavam presentes, além de dançarinos, e portadores de oferendas que carregavam o que seria oferecido às divindades. Nos relevos é possível ver a grande quantidade de oferendas que eram dedicadas às divindades.

Quando as estátuas já estavam no templo de Luxor várias cerimônias eram conduzidas nos pátios externos até as barcas chegarem ao santuário interno. Lá apenas o rei e alguns sacerdotes oficializariam os rituais. Sobre esses ritos infelizmente não há informações, nenhum texto que descreve o evento sobreviveu. As representações são basicamente das procissões. Assim, não podemos afirmar com certeza o propósito dos rituais que ocorriam em Luxor.

Uma das interpretações é a de que, como o templo de Luxor não é dedicado a um deus de culto ou uma versão deificada do faraó na morte, e sim dedicado ao rejuvenescimento da realeza, que o ritual teria relação com esta finalidade. Ou seja, ao renovar a força vital da tríade tebana (Amon, Mut e Khonsu), confirmava-se também que o rei tinha a posse do Ka (energia vital) real. Esta renovação da força real e sua ligação com Amon fortalecia a autoridade do rei, em um momento também marcado pelo início de um novo ano. Assim, o rei garantia que seu direito de governar fosse divino consolidando sua linhagem e mantendo o vínculo como filho de Amon-Rá.

Mesmo quando Tebas já não era mais a capital do Egito, os faraós e príncipes viajavam para participar do festival. Diversas festas faziam parte do calendário egípcio, porém “a Bela festa de Opet”, pelo significado que possuía em relação à manutenção da monarquia egípcia, foi uma das mais duradouras, já que foi realizada até o período romano.

 

FUKAYA, Masashi. The Festivals of Opet, the Valley, and the New Year: their socio-religious functions. Archaeopress Egyptology 28. Oxford, 2019.

https://www.nationalgeographic.com/history/magazine/2019/05-06/ancient-egypt-royal-feast/

https://en.wikipedia.org/wiki/Opet_Festival

 

 

 

Compartilhe!

0 comments on “O Festival de Opet

Comments are closed.