+55 41 3351.3024 museu@amorc.org.br

O Faraó Narmer: Senhor das Duas Terras

Predominantemente desértica, a região onde se encontrava o Egito Antigo tinha pouca vegetação, que se concentrava principalmente às margens do rio Nilo. Esse fato levou os egípcios a abandonarem seus comportamentos nômades e se assentarem em territórios próximos ao rio, chamados de “nomos”. Esses grupos passaram a se unir no decorrer do período chamado de Pré-dinástico, fosse de maneira pacífica ou por meio de conflitos. Esse processo se deu até que se formassem dois principais reinos: o Alto Egito, a região do vale do rio Nilo; e o Baixo Egito, a região do delta do rio Nilo. Essa configuração se manteve até aproximadamente 3100 a.C., quando o Egito foi então unificado, provavelmente pelo faraó Narmer, rei do Alto Egito.

A unificação do Egito que ocasionou a fundação da primeira dinastia é um fato do qual muitos têm conhecimento. Entretanto, saber quem foi realmente seu principal responsável é um problema bastante recorrente até mesmo para os estudiosos do Egito Antigo na atualidade. As hipóteses mais comuns são de que o faraó unificador possa ter sido Narmer, Menés ou Aha, todos nomes de governantes encontrados em diversas fontes. A comunidade de egiptólogos considera atualmente que o mais provável é que o unificador seja Narmer, pois, a Paleta de Narmer, a principal fonte que se tem daquele período, nos dá essa pista.

A Paleta de Narmer vem sendo interpretada de diversas formas pelos egiptólogos desde que foi encontrada, no final do século XIX. Esses pesquisadores tentam resolver numerosas e diferentes questões, desde as origens políticas do Estado egípcio à natureza da arte e escrita egípcias. Descoberta em 1898 em Hieracômpolis, a antiga cidade de Nekhen, a Paleta que possui formato de escudo e foi feita em pedra escura e esverdeada, com 63 cm de altura e decoração em relevo esculpido em ambas as faces, geralmente é datada como sendo do início do período dinástico arcaico (c. 2920-2770 a.C). O conteúdo complexo que a decoração da Paleta traz, suas imagens e inscrições, incorporam uma série de aspectos altamente característicos da arte faraônica. A representação das pessoas e animais como uma combinação de elementos frontais e laterais e o uso do tamanho como meio de indicar o nível de importância de cada indivíduo, estabelece a iconografia como demonstração de poder.

Na parte frontal da Paleta de Narmer há uma representação de leões de pescoço comprido entrelaçados sendo domados por dois homens. Esses animais “domados” podem representar especificamente a unificação das duas metades do país, que é um tema recorrentemente presente na arte e textos egípcios ao longo do período faraônico. O círculo formado pelos pescoços entrelaçados desses animais cria engenhosamente uma depressão no centro da Paleta, onde os pigmentos para a pintura dos olhos poderiam ser triturados (o propósito original desses tipos de paleta), entretanto, não há claros indícios se esse artefato cerimonial era realmente utilizado para essa função. Objetos rituais como a Paleta de Narmer, muito provavelmente, transcendiam seu suposto uso, pois assumiam, por exemplo, o papel de oferendas, dedicadas ao templo de Hieracômpolis. Ao analisar o conteúdo dessa face da Paleta, vemos o faraó participando de uma procissão com outras seis pessoas, incluindo duas figuras que têm metade do seu tamanho. Estes dois homens, evidentemente representam funcionários de alto escalão. O rei e seus servos estão revisando os corpos decapitados de seus inimigos, presumivelmente derrotados em batalha. No registro superior na frente da Paleta, acima dos animais entrelaçados, há a figura do faraó egípcio Narmer entre duas cabeças de vaca, que representam a deusa Bat. Narmer é mostrado com a chamada Coroa Vermelha, que representa seu domínio sobre o reino do Baixo Egito. Enquanto que na outra face da Paleta, vemos em destaque a figura do faraó utilizando a coroa do reino do Alto Egito. Nesse sentido, percebemos a grande importância desta Paleta para compreendermos melhor a figura de Narmer e a união entre o Alto Egito e o Baixo Egito como um único reino, sob o poder deste rei.

Além do que vemos nas imagens da Paleta de Narmer, outro indício que complementa a teoria de que o rei foi o unificador do Egito é a interpretação de seu nome. O arqueólogo Flinders Petrie (1853-1942) foi um dos primeiros a afirmar que Narmer e Menés seriam uma única pessoa, o primeiro faraó da primeira Dinastia e que os dois nomes designavam um só homem: Narmer era seu nome, representado foneticamente pelos hieróglifos do peixe-gato (nr) e do cinzel (mr), uma interpretação do nome do deus Hórus; e Menés era um título honorífico ou algo semelhante, que significaria “aquele que perdura”.
A Paleta de Narmer está exposta atualmente no Museu Nacional Egípcio do Cairo. No Museu Egípcio e Rosacruz há uma réplica da Paleta feita em tamanho real e que pode ser vista pelos visitantes.

Por Jessica Cabral – Monitora do Museu Egípcio e Rosacruz

 

Referências

CERVELLÓ-AUTUORI, Josep. The Thinite “Royal Lists”: typology and meaning. Disponível em: <http://pagines.uab.cat/iepoa/sites/pagines.uab.cat.iepoa/files/Cervello-Autuori_Toulouse-Abstract.pdf>. Acesso em: 23/08/2017.

______________. Was King Narmer Menes?. Archéo-Nil. vol. 15, 2005. Disponível em: <biblio.ebaf.edu/cgi-bin/koha/opac-ISBDdetail.pl?biblionumber=316185>. Acesso em: 20/09/2017.

MERTZ, Barbara. Temples, Tombs and Hieroglyphs: A popular history of Ancient Egypt. HarperCollins e-books. 2007.

MUSEU EGÍPCIO E ROSACRUZ. Paleta de Narmer. Tesouros do Museu. Disponível em: <http://museuegipcioerosacruz.org.br/tesourosdomuseu/paleta-de-narmer/>. Acesso em: 15/09/2017.

SHAW, Ian. Ancient Egypt: A very short introduction. Oxford, 2004. pp.1-9.

_________. The Oxford History of Ancient Egypt. Nova York: Oxford University Press, 2000.